Destaques

24/07/2019 - O efeito terrível e inesperado do 5G nos insetos



A Pro Natura, uma organização suíça de proteção à natureza soou o alarme. O grupo alerta sobre os efeitos nocivos do 5G em diferentes espécies de insetos e mostra as consequências da atividade humana em seus ecossistemas.


De acordo com os estudos, 75% dos insetos desapareceram na Suíça e o número de espécies continua diminuindo, com 163 espécies consideradas extintas. No entanto, aqueles ainda presentes estão ameaçados, como as abelhas e borboletas, que são cruciais no processo de polinização.


Até então, este desaparecimento estava associado ao uso de agrotóxicos na agricultura, à alta luminosidade nas cidades e à depredação dos habitats dos insetos. Mas hoje um novo fator os colocaria em perigo: o 5G.



Por que o 5G é perigoso?



Ao contrário das ondas 4G, cujas frequências não ultrapassam os 6 GHz, as ondas do 5G podem ir até aos 120 GHz. Para se ter uma ideia, as frequências podem aumentar a temperatura corporal dos insetos a partir dos 10 GHz. É por isso que o 5G e seus 120 GHz estarrece a equipe da Pro Natura.


Outra espécie potencialmente ameaçada por essa tecnologia: os humanos. De fato, embora haja debate sobre a periculosidade dos telefones celulares e suas ondas para os seres humanos, a 5G também é suspeita de influenciar a segurança dos moradores dos Estados Unidos.


A Comissão Federal de Comunicação (FCC - Federal Communications Commission) quer vender frequências para 5G que estão muito próximas das ondas usadas para previsões meteorológicas, incluindo chuva, neve, temperatura do ar, nuvens e gelo. Isso pode envolver uma perda de 3 dias nas previsões meteorológicas. No caso de um furacão, isso poderia colocar as pessoas em risco, dando-lhes menos tempo para se preparar.


Uma assinatura mais alta não seria o único preço a pagar para obter uma conexão de internet mais rápida no seu smartphone. Surge a questão: vale a pena o custo?




Fonte: gentside.com.br