Destaques

06/12/2017 - Assim como nós, as abelhas podem ser “destras” ou “canhotas”



Cientistas da Universidade de Queensland, na Austrália, demonstraram que as abelhas podem ter preferência por voar para a esquerda ou para a direita. Além disso, descobriram que as abelhas conseguem distinguir um buraco pequeno de um maior, e escolhem sempre o maior buraco para voar.


Mandyam Srinivasan, neurocientista e engenheiro, explicou que “algumas abelhas apresentam uma forte inclinação pela direita, outras pela esquerda e há algumas, até, que não têm nenhuma preferência”.


Para determinar a direção preferida, a equipe analisou 102 abelhas forrageiras identificadas com cores diferentes. Colocadas num túnel com 120 centímetros de comprimento, as abelhas tinham de ultrapassar alguns obstáculos para conseguirem chegar ao fim, onde encontravam comida.


Quando analisaram os resultados, os cientistas chegaram à conclusão de que as abelhas, perante buracos, optam por aberturas maiores. Cerca de 80% das abelhas escolhe a opção potencialmente menos perigosa para voar.


Para além disso, perante duas aberturas iguais, cerca de 55% das abelhas não mostraram qualquer tipo de preferência em pelo menos 10 voos. Entre as 45% restantes, metade escolheu a esquerda e a outra metade preferiu a direita.


Isto prova que, ao contrário dos humanos – que são maioritariamente destros – as abelhas enquanto indivíduos têm uma preferência por um dos lados, mas, enquanto população, não têm tendência para qualquer dos lados.


Numa outra etapa da experiência, as abelhas que preferiram uma direção foram colocadas entre duas aberturas com tamanhos diferentes. O teste mostrou que, quando o lado preferido tinha a abertura menor, os insetos demoravam mais tempo a decidir. Mas, quando o lado preferido tinha a abertura maior, o tempo de decisão era mais curto.


“Seria menos eficaz se todas as abelhas tomassem a mesma direção. Isso faria com que todo o enxame tentasse voar pela mesma passagem, bloqueando-a. Para além disso, diminuíam a velocidade e colocavam em perigo o enxame que iria voar pelo mato”, explica Srinivasan.


Pesquisas anteriores do laboratório de Mandyam Srinivasan permitiram descobrir a razão pela qual os pássaros não caem durante o voo – eles escolhem sempre o lado direito, conseguindo evitar-se em segurança. Esta pesquisa pode ser útil no desenvolvimento de sistemas anti-choque automatizados para aeronaves.


Da mesma forma, além de nos permitir ficar a conhecer um pouco melhor as simpáticas abelhas, o estudo da Universidade de Queensland tem também aplicações práticas importantes – por exemplo, ajudar-nos a desenvolver sistemas mais avançados de controle de drones.




Fonte: ZAP.aeiou

Foto: Divulgação