Destaques

16/10/2019 - Gatos não são muito eficientes no controle de ratos.



Criado nos anos 40, o desenho animado Tom e Jerry se transformou num grande sucesso em todo o mundo. A razão de toda a graça reside, justamente, na reversão da expectativa; contrariando o senso comum, Jerry, o camundongo, sempre leva a melhor sobre Tom, o gato doméstico que se dedica a caçá-lo sem tréguas e sem sucesso. :)


Agora, um estudo feito pela Universidade de Fordham, em Nova York, revela que William Hannah e Joseph Barbera estavam corretos: gatos não são bom predadores de ratos.


Pesquisadores monitoraram a movimentação e o comportamento de gatos e ratos por meio de chips implantados nos animais. O estudo revelou que, como o camundongo Jerry, os ratos sabem evitar os gatos de forma muito inteligente. Ao fim de 79 dias de experimento, apenas dois ratos tinham sido mortos por gatos. A conclusão do trabalho, publicado na "Fronteiras da Ecologia e da Evolução" é que os gatos não são eficientes no controle da população de ratos das grandes cidades. Pior, acabam se tornando uma ameaça para passarinhos e outros pequenos animais urbanos inofensivos.


"Como qualquer outra presa, os ratos superestimam os riscos da predação", explica o principal autor do estudo, Michael H. Parsons, da Universidade de Fordham. "Na presença de gatos, eles ajustam seu comportamento, de forma a se tornarem menos visíveis e passam mais tempo escondidos." Para Parsons, o estudo questiona a ideia de que soltar gatos na cidade para reduzir a população de ratos seria eficiente.


O senso comum tende a pensar em gatos como predadores naturais dos ratos. Mas, segundo os pesquisadores americanos e australianos, os felinos preferem presas menores e indefesas, como passarinhos - o que os transforma em uma ameaça aos ecossistemas urbanos. "Os nova-iorquinos sempre dizem que os ratos da cidade 'não têm medo de nada' porque eles são 'do tamanho dos gatos'", diz Parsons. "Ainda assim, é comum que soltem gatos para controlar essa população que é grande e potencialmente perigosa."


O problema é que não havia dados estatísticos para embasar nenhuma das duas teorias. Uma oportunidade surgiu quando alguns gatos invadiram um centro de reciclagem de lixo em Nova York, onde já viviam dezenas de ratos que estavam sendo estudados pelos cientistas. Quando os gatos chegaram ao centro, os pesquisadores resolveram estudar a interação entre os dois animais - pela primeira vez monitoradas em um ambiente natural, fora do laboratório.


"A gente queria saber se o número de gatos presentes teria influência sobre a população de ratos e vice-versa", explicou Parsons. "Queríamos também descobrir se a presença dos gatos teria algum efeito nos oito comportamentos mais comuns dos ratos ou em seus padrões de movimentação." Para não perder nada, os cientistas instalaram câmeras por todo o centro.


Eles examinaram nada menos que 306 vídeos feitos ao longo de 79 dias. Em todo esse tempo, os pesquisadores registraram apenas duas mortes de rato e uma tentativa infrutífera. Os vídeos revelaram que, na presença dos gatos, os ratos passavam muito mais tempo escondidos.


Tudo bem que Jerry é um rato doméstico (muito menor do que os robustos ratos urbanos), mas, no que diz respeito a estratégias de driblar a vigilância dos gatos, os dois roedores mostram comportamentos semelhantes.


Mas voltando à realidade... :) mesmo nem sempre tendo sucesso, os gatos são caçadores por natureza, e por vezes podem conseguir pegar a sua presa. Muitas vezes fazem isso para presentear seus donos com um 'agrado', ou simplesmente para comê-los, mesmo tendo ração da boa à disposição.



Meu gato caçou um rato. E agora?


Não é nada bom para o gato comer ratos. Levando em conta os problemas mais comuns que podem acometer os nossos pets, é possível citar a contração de vermes intestinais, bem como toxoplasmose, raiva, leptospirose ou intoxicação secundária, no caso do rato ter ingerido algum tipo de veneno.


Caso seu gato tenha comido um rato, um dos maiores males que pode acontecer é ele se contaminar com toxoplasmose, esta que é uma doença sistêmica gerada por um protozoário, que é um parasita que infecta todos os animais de sangue quente, e pode afetar até mesmo os seres humanos. Tanto cães como gatos podem ser infectados com este protozoário através da ingestão de roedores ou outros animais que tenham este tipo de protozoário e que o tenham desenvolvido nos seus músculos.


Os gatos podem ser infectados com lombrigas comendo camundongos ou ratos infectados com larvas de lombriga em seus músculos. Estes são vermes parasitas de intestino, e é comum encontrar cães e gatos jovens contaminados com lombrigas.


Além disto há um pequeno risco do seu gato sofrer com envenenamento secundário, se o roedor que ele caçou tiver ingerido anteriormente algum tipo de veneno para ratos. Seu nível de toxicidade para o gato dependerá do tempo, da quantidade e o tipo de veneno que o roedor tiver consumido, e o número de roedores que seu animal tiver caçado.


Se seu gato tiver a liberdade de andar pelas redondezas, e pelas redondezas houver a ocorrência de ratos, vale mais a pena cuidar para que o ambiente não seja propício para os ratos, ou também adotar medidas para acabar com os existentes, até mesmo contratando uma empresa especializada no controle deste tipo de praga. O seu gato não vai te agradecer :), mas será bom para ele.




Fonte: O Bonde e fofuxo.com