Destaques

30/10/2019 - Nova espécie de inseto ganha o nome de Greta Thunberg, a ativista mirim.



Inseto, que mede menos de um milímetro, foi redescoberto em antiga coleção que estava no Museu de História Natural de Londres. Com homenagem, cientista reconhece contribuição de ativista para causas ambientais.O Museu de História Natural de Londres anunciou nesta sexta-feira (25/10) que batizou uma espécie de besouro com o nome de Greta Thunberg, em homenagem à jovem ativista ambiental sueca. O inseto receberá o nome científico nelloptodes gretae.


O besouro cor de mel mede menos de um milímetro. Apesar de ter sido descoberto em Nairóbi, capital do Quênia, na década de 1960, o inseto permaneceu sem nome até que o pesquisador Michael Darby redescobriu a espécie na vasta coleção do museu, para então, analisá-la e finalmente batizá-la.


Agora, o inseto foi formalmente nomeado na Revista Mensal de Entomologia.


"Estou imensamente impressionado com o trabalho desta jovem ativista e queria reconhecer sua excelente contribuição no aumento da conscientização das questões ambientais", afirmou Darby.


Greta, de 16 anos, se tornou uma das principais vozes na luta contra as mudanças climáticas. Em 2018, a adolescente sensibilizou jovens em todo o mundo desde que começou a fazer protestos solitários em frente ao Parlamento sueco com um cartaz que propunha uma greve escolar pelo clima ("Skolstrejk för klimatet").


Em apenas 12 meses, a própria Greta se transformaria numa espécie de ícone adolescente do clima, e seu movimento influenciou milhares de estudantes a fazerem greve às sextas-feiras para chamar a atenção para o combate das mudanças climáticas. O movimento Greve pelo Futuro (nome internacional: Fridays For Future) resultou em paralisações em 3.804 locais em 161 países. A maior foi em 20 de setembro, quando manifestações reuniram milhões de pessoas em diversas cidades na greve global pelo clima.


O curador do museu Max Barclay considerou apropriado batizar a espécie descoberta recentemente em homenagem a "alguém que trabalhou duro para defender o mundo natural e proteger as espécies vulneráveis" e disse que achou a escolha de Darby "particularmente comovente".


"É provável que espécies não descobertas estejam sendo perdidas o tempo todo, mesmo antes de cientistas nomeá-las, devido à perda de biodiversidade", destacou Barclay.


O besouro, que não tem olhos e asas, pertence à família Ptiliidae, que inclui alguns dos menores insetos do mundo. Ele fazia parte de uma coleção que foi doada ao Museu de História Natural de Londres em 1978.



Animais com nomes científicos curiosos


Para os cientistas, nomear espécies recém-descobertas com seus próprios nomes não pega muito bem, portanto eles precisam ser mais criativos.


É por isso que agora temos um parasita com o nome de Bob Marley (Gnathia marleyi), um gênero de peixe chamado Richard Dawkins (Dawkinsia) e um pequeno grupo de espécies — algumas vivas, outras extintas — com o nome de David Attenborough.


Às vezes, animais recebem o nome de celebridades que os cientistas admiram, como o besouro N. gretae, ou uma aranha chamada Spintharus leonardodicaprioi.


Outras vezes, é porque a celebridade é conhecida por ter um carinho especial por esse animal — como no lêmure batizado depois do ator John Cleese, Avahi cleesei.


E às vezes os animais têm alguma semelhança com a celebridade de quem receberam o nome.


Por exemplo, há uma mosca de cabelos dourados com o nome de Beyoncé - Scaptia beyonceae. Há também uma mariposa chamada Neopalpa donaldtrumpi que, segundo o biólogo Vazrick Nazari disse em 2017, é conhecida por sua distinta cabeça loira e órgãos genitais "relativamente pequenos".


E, no ano passado, Donald Trump teve outro animal batizado com o nome dele — um anfíbio que enterra a cabeça na areia. O Dermophis donaldtrumpi recebeu esse nome por causa dos comentários do presidente dos EUA sobre as mudanças climáticas.


Ao contrário de quando você nomeia um animal de estimação, os nomes científicos duram para sempre.


Talvez não exista um alerta mais estridente sobre os perigos disso do que o Anophthalmus hitleri, um besouro cego condenado a ser nomeado para sempre com o nome de Adolf Hitler por um admirador alemão em 1933.




Fonte: Terra Notícias