Destaques


14/09/2016 - Formigas invasoras podem se tornar um perigo para os ecossistemas




As formigas têm um papel fundamental nos ecossistemas, mas quando invadem outros alheios ao seu natural representam um perigo para o meio ambiente e para a saúde humana, um fenômeno em aumento para o qual estão contribuindo os fluxos comerciais.


O resultado é que centenas de formigas invasoras estão se movimentando por todo o planeta até chegar a regiões onde não eram esperadas, como Havaí e outras ilhas do Pacífico.


Na Austrália, por exemplo, o alarme soou com a picada de uma pessoa, que depois virou motivo de hospitalização em diversos casos, explicou à Agência Efe o responsável do Governo para a proteção das plantas, Kim Ritman.


O caso australiano foi abordado em uma conversa sobre medidas fitossanitárias diante das pragas transmitidas por esses insetos na sede da Organização da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO) em Roma.


Ritman detalhou que, através do transporte de mercadorias, essas espécies entraram principalmente em zonas tropicais do norte do país e em seus arredores, aproveitando que estão acostumadas com esse tipo de temperaturas quentes.


O combate às pragas, que já custou centenas de milhões de dólares no país, começa por revistar e manter limpos os contêineres de mercadorias que chegam a solo australiano por ar ou mar.


Usamos cachorros para o controle das formigas e vemos seu perfil genético para saber se são novas ou chegam de outras partes da Austrália, afirmou o representante.


Quando é detectado que são invasoras, as autoridades matam a formiga rainha com veneno para acabar com as colônias, embora - tenha acrescentado -, não seja fácil e leva tempo.


O especialista do Conselho de Pesquisa Científica e Industrial do Estado (CSIRO) Ben Hoffmann ressaltou na reunião de Roma que as formigas exóticas causam efeitos indiretos na agricultura promovendo as pestes que afetam cultivos.


A principal preocupação tem a ver com o meio ambiente e, para ilustrar, mostrou imagens da Ilha Christmas, no oceano Índico, que mostraram como as formigas não nativas transformaram o habitat em uma selva e puseram em perigo de extinção muitas espécies.


Entre as mais agressivas, o entomologista citou as formigas de fogo, originárias da América do Sul e que chegaram até China e Estados Unidos, e as argentinas, presentes em Espanha, Portugal, Itália e França, entre outros tantos países.


Segundo um estudo divulgado pela The Royal Society, o número de formigas introduzidas ou estabelecidas em novas regiões poderia ser muito maior do que o documentado até o momento, já que tendem a se movimentar entre regiões vizinhas com um comércio crescente entre elas e com um clima parecido.


Além disso, sua tolerância aos ambientes tropicais faz com que possam se adaptar melhor à mudança climática.


Apesar do risco que causam as espécies exóticas, Hoffmann lembrou que as formigas em geral são consideradas como indicadores adequados de qualidade ambiental.


Como grupo dominante em muitos ecossistemas, cumprem uma variedade de funções ecológicas como, por exemplo, cortar partes das plantas, depredar pequenos invertebrados e polinizar cultivos.


Também podem proteger as plantas de outras pestes, contribuem para nutrir o solo e são fonte de alimento para outros seres vivos.


Embora estejam sendo desenvolvidas biotecnologias para conservar as plantas, na erradicação de pragas frequentemente são utilizados compostos químicos tóxicos que, por extensão, podem causar outros problemas e chegar a matar espécies de vital importância, como as abelhas.


Para evitar isso, o especialista do CSIRO pediu extrema precaução no uso de pesticidas e a realização de um registro extenso desses produtos.




Fonte: Terra - 2016

Foto: Alex Wild



Compartilhe no    Compartilhe este destaque no Whatsapp Compartilhe este destaque no Twitter Compartilhe este destaque no Facebook